18 de abr de 2009

Entre Dois Mundos

Some Like it Hoth Episódio 13

Lindo. Lost cada dia que passa vai fixando no coração da gente, mesmo quando o episódio é absolutamente trivial, comum, embora traga uma grande revelação no início e no final. Fica difícil manter-se motivado a assistir séries que eu gosto (Heroes, The Mentalist, 24 horas, Damages, etc) porque NENHUMA delas, se compara em qualquer aspecto a Lost.

Some Like it Hoth é um exemplo de como se fazer um episódio com muita serenidade. Porque nosso antipatíssimo Miles (Ken Leung) dá um show de como ser indiferente e tratar de um assunto reticente em Lost: problemas familiares. É impressionante - e eu já disse isso em outros posts - como boa parte das personagens (maioria) tem problemas sérios com seus pais. Jack, Hurley, Kate, Ben, Miles, Sawyer... a lista não acaba.

Miles tem seu flash-back carregado de alguns pequenos dramas, mas impressiona como consegue manter o olhar frio e confiante. Talvez por estar se equilibrando entre dois mundos - dos mortos e dos vivos - sua forma de ver a vida (e consequentemente) a morte, passa por um jeito menos febril e urgente. E mais uma vez, méritos para os diretores, que não banalizam sofrimentos, não transformam lágrimas em cataratas e também, não subestimam a inteligência da audiência.

Descobrindo seu dom - o de desvendar a origem da causas mortis e travar um pequeno diálogo com falecidos - Miles usa seu dom para dele sobreviver. E o faz de forma tranquila, até que recebe uma proposta indecorosa de uma tal Naomi Dorrits (que você conhece como tripulante da caravana de Widmore).

O que acontece de curioso durante o episódio é a aparição de um tal de Bram, que tenta convencê-lo a não viajar no cargueiro de Charles Widmore. Fora a aparição de seu rosto, é dificil ter idéia da sua inserção no contexto, mas podem ter certeza, não foi ou será em vão...


Divertidos e interessantes são os diálogos que Miles e Hurley travam. Milles, sempre "dócil" e Hurley, insistente e parece que Hugo faz o "nosso papel" desde o início da série, porque ele quem faz as perguntas mais interessantes e nunca perde o senso de humor.

Temos o aparecimento de um cadáver entregue ao Dr. Chang - deve ser parte dos experimentos da ID (Iniciativa Dharma). Horace está envolvido nisso. Nosso Dr. Chang ainda será quase protagonista, quando Miles confessa a Hurley que o médico namasté é seu pai... A preocupação alucinada do pai de Ben com seu filho e a enrascada na qual Kate se envolve ao tentar consolá-lo. Sawyer se vê agora, plenamente enrolado, como livrar a sardenta e seus outros amigos, de novas mentiras ou melhor, de velhas verdades?

Um episódio para ficar pensando, porque há mensagens espalhadas por ele... o corpo morto na mesa do restaurante, a construção da escotilha, o uso dos números e o aparecimento de Daniel Faraday...

Semana que vem, não há exibição de Lost, então é tempo de preparar a saudade, se é que a sua já não te chamou.

4 comentários:

Adelson (TD Séries) disse...

Olá, Daniel.

Concordo com o que você disse no início: por mais que eu goste de outros seriados, é difícil manter por eles o mesmo interesse que "Lost" desperta. É mesmo uma ótima lição de como manter a atenção e a expectativa para cada novo episódio.

Um grande momento do episódio foi ver o início da construção da Estação Cisne - um marco no seriado - e a gravação dos famosos números na escotilha.

E o retorno de Faraday era algo que eu esperava há muito tempo. Será que nossos amigos finalmente voltarão para o seu presente?

Um abraço!

Ciça disse...

Muito bom o episodio. Vc disse tudo Daniel. Soh Lost consegue prender a nossa atenção. nenhuma outra serie faz o q lost faz.

Ah eh: O q tem na sombra da estátua? O.o to doida com isso ....

Petter disse...

O episódio foi ótimo, eu adoro o Miles e gostei de saber um pouco mais sobre ele, afinal na quarta temporada ele foi o único que não teve sua história devidamente contada.
Porém, não vejo mais Lost com o mesmo entusiasmo de antes, acho que nada ali mais causa grande impacto como antes. O começo dessa temporada foi de tirar o folêgo mais com o decorrer dos episódios foi ficando massante, bom pelo menos pra mim.

Mais pra quem já viu desde o começo, é obvio que eu não vá desistir da série né?

Abraço.

KA disse...

Também sinto algo que você comentou. As vezes fica difícil ter vontade de assitir outras séries porque simplesmente não são Lost. Não tem a mesma magia, o mesmo encanto!
Muito bom episódio. ótima temporada!

LinkWithin