20 de nov de 2010

Conheça, Shameless. Do original britânico ao novo remake da Showtime

Um breve resumo para aqueles que ainda não conhecem, Shameless é uma dramédia britânica de 2004.
Atualmente a série possui 7 temporadas completas e com uma oitava à caminho. Das 23 nomeações que já recebeu, foi premiada com 9 incluindo um BAFTA como melhor série de drama.

Shameless é um dos programas recentes mais bem sucedidos da TV Inglesa, um drama com uma comédia com ótimos roteiros e elenco para tirar o máximo partido de uma história alimentada por sexo, drogas e álcool.

Os americanos então, não resistindo a todo esse sucesso começaram a preparar sua própria versão para a história.




Para o dia 9 de Janeiro, o canal americano Showtime está preparando uma grande reapresentação desse sucesso britânico. Já com alguns episódios gravados, a divulgação já começou com um cartaz e um vídeo promocional.

" A nova série mostrará um pai alcoólatra em Chicago com sua família que enfrenta a crise financeira. Desde que a mãe abandonou a família, a filha mais velha, Fiona,  mantém todos unidos e passa a tomar conta dos cinco irmãos mais novos. Praticamente abandonados pelos pais, essas crianças vivem da ajuda do Governo. "

A primeira temporada terá 12 episódios e o drama promete chamar a atenção. O cuidado com o roteiro e com os atores tem sido rígido e intenso.

Alguém aí discorda que essa série será um sucesso?


16 de nov de 2010

NBC começa a divulgação de The Cape, a nova série de super-heróis

Sede de Vingança. Geralmente é esse sentimento que desencadeia a história de um héroi, ou anti-herói. A história de The Cape não é muito diferente.

Um policial que teve seu nome envolvido em uma série de crimes e assassinatos e que foi obrigado a abandonar sua esposa Dana e seu filho Trip. Imbuído do desejo de se reunir novamente com sua família, Vince acaba se tornando O Capa, o super-herói favorito de seu filho e agora ele luta contra o crime a procura daqueles que tentaram matá-lo.


O canal NBC pretende estrear a série logo no começo do ano que vem. E para preparar o público como deve ser, a rede já começa a divulgar os videos e as fotos para atrair fãs.

No elenco temos David Lyons (‘ER’) que interpreta Vince Farraday, o herói The Cape, e a ex-Firefly, Summer Glau como Orwell, e o ex-True Blood, James Frain como arqui-inimigo do herói, Peter Fleming, também conhecido como Xadrez.











Vídeos Promocionais:




12 de nov de 2010

Fox renova Os Simpsons para uma 23ª temporada

Os Simpsons foi renovada pelo canal americano Fox, nessa quinta-feira.
"Como esses 22 anos, Os Simpsons está extremamente feliz na FOX, e espera não ter que ir para fora no mundo real por muitos anos." disse o produtor executivo Al Jean.

A série, que segue as aventuras de Homer, Marge, Bart e Lisa, tornou-se famosa por suas referências de cultura pop. O espetáculo recebeu 27 prêmios Emmy e é a mais longa duração no horário nobre de uma série animada de televisão.

A série irá pelo menos até o ano de 2012 com 515 episódios. Será a 3ª série mais longa da história da TV. A maior é Gunsmoke, que foi exibida de 1955 a 1975, teve 20 temporadas e 635 capítulos.

Glee 2X06 - "Never Been Kissed"


|O texto abaixo contém spoilers!|


Tenho que confessar que os últimos episódios de "Glee" estavam me deixando nervoso, principalmente nos momentos em que o Kurt aparecia em cena e fazia todo aquele drama por ser o único gay assumido do colégio, e por estar sempre mal-humorado ou à beira de um ataque de nervos ou de choro. Mas, uma coisa que não posso negar é que Chris Colfer faz um chato BEM convincente.
Depois de alguns episódios meio monótonos, ouso dizer, até mesmo chatos, somos contemplados com essa obra-prima. Que, para mim, foi o melhor episódio do seriado até agora.
O episódio começa com Finn dando uma dica para Sam de como não ficar tão excitado enquanto estiver dando uns amaços com a Quinn. Pensar em algo, literalmente, broxante. A primeira coisa que vem à cabeça de Sam é a treinadora Shannon Beiste vestindo apenas roupas íntimas. O conselho dá certo e começa a ser disseminado entre os casais onde um dos lados "não libera" com tanta facilidade.
Enquanto isso, os concorrentes do New Directions nas regionais desse ano são revelados, e um deles é o coral de uma escola só para garotos. Kurt que está passando por momentos difíceis, principalmente pelo fato de um dos valentões do time de futebol não parar de importuná-lo,e decide dar uma saída do colégio e espiar a concorrência.
Puck está de volta do reformatório, e para se manter longe do local terá que prestar serviços comunitários. O seu serviço comunitário é cuidar de Artie, porém as coisas começam a não dar muito certo depois que o valentão põe alguns planos em ação.
Kurt descobre o paraíso. Além de ser uma escola só de meninos, lá eles aceitam os gays (o que não acontece no McKinley), e conhece Blaine (este faz uma apresentação um pouco tensa de "Teenage Dream"), que, provavelmente, será seu par romântico. O garoto dá umas dicas para Kurt de como fazer para que os outros o aceitem com ele é, e enfrentar seus problemas sem deixar que eles te consumam. Então, acontece o inesperado!
Kurt volta pra sua escola e mais uma vez é importunado pelo valentão. Lembrando das palavras de Blaine, ele resolve confrontá-lo, e depois de o acuar e pressionar, o valentão acaba beijando Kurt, seu primeiro beijo.
Nesse meio tempo, a situação a qual a Beiste foi exposta começa a se complicar. Uma deturpação chega aos ouvidos de sua maior inimiga, Sue, e aos ouvidos da própria vítima. Beiste se sente humilhada e acaba pedindo demissão.
Após conversar com os meninos, Will vai até Beiste e tenta convencê-la de ficar. É então que a dura treinadora se abre e confessa que também nunca foi beijada. O bondoso Will lhe dá um beijo e convence a treinadora a voltar para o colégio.
Então, os garotos apresentam o último número da noite, um mash-up de "Stop! In the name of the Love" e "Free Your Mind", encerrando o episódio.
Foi o episódio mais ousado até agora, e com excelentes atuações de Chris Colfer e Dot Jones. Esta por sinal me conquistou desde o primeiro episódio, as melhores cenas são sempre as que ela está presente.
Quanto ao beijo, foi algo totalmente inesperado. Vi como se fosse um estupro, algo frio, forçado, sem amor e sem vida, fiquei com muita dó do Kurt. Falando em Kurt, parece que ele não ficará tão mal-humorado nos próximos episódios, agora que encontrou um alguém que sempre procurou. Só resta saber se ele vai trocar de escola para ficar mais próximo do Blaine, ou se vai arrastá-lo para o New Directions, ou se cada um vai ficar na sua mesmo.
Também torço para que a amizade de Puck e Artie não seja momentânea, eles formam uma dupla bem bacana e meio que se completam. Tomara que dure!
Os números musicais também foram ótimos. Destacando o mash-up das meninas, que misturaram "Livin on a Prayer" com  "Start me up", sem contar o figurino que ficou sensacional. O dos meninos também ficou bem legal, principalmente por ser uma homenagem à Beiste.
Foi um episódio simples, porém bem desenvolvido e muito bem atuado. Nada de episódio especial ou outra coisa do gênero e, mesmo assim, conseguiu ser o melhor da série até agora!

Nota: 10

E semana que vem.... teremos GWYNETH PALTROW!



11 de nov de 2010

AMC cancela a série Rubicon

Rubicon tem seu cancelamento anunciado após sua primeira temporada. O canal AMC alega o seguinte: "Rubicon nos deu a oportunidade de contar uma história rica e envolvente, e estamos orgulhosos da série. Esta não foi uma decisão fácil, mas estamos gratos por ter tido a oportunidade de trabalhar com essa equipe extremamente talentoso e dedicado. "

Ao meu ver, o canal anda muito ocupado com sua nova 'sensação', The Walking Dead e como Rubicon teve índices baixos não tiveram piedade.
É uma pena para os fãs que sempre me diziam que a série estava melhorando e que o final da primeira temporada foi bem intrigante. Mas esse é o mundo dos números, e essa é a sua nova vítima.

A mais nova comédia da FOX: Raising Hope


| Este é um resumão dos seis primeiros episódios. |

Este ano não está sendo um dos melhores para FOX. Com exceção de "Glee" e "Bones", as demais séries do canal estão numa situação não muito agradável. "House" que nas temporadas anteriores não tinha audiência inferior a 14 milhões, hoje, em sua sétima temporada, não consegue passar da casa dos 10. "Fringe" e "Lie to Me" estão em uma situação mais crítica ainda, beirando o cancelamento, com números variando entre 3 e 4 mi.
 Quanto as estreias do ano, três das quatro já foram enterradas, restando apenas a excelente "Raising Hope", que foi o primeiro programa novo do canal a garantir uma temporada completa.
Nela é contada a história de Jimmy Chance, 23 anos, mora com os pais em uma casinha na Carolina do Sul, trabalha com o pai, Burt, num "próspero" negócio de limpeza de piscinas, enquanto a sua mãe, Virginia, limpa a casa dos ricos da cidade. Para completar a família temos Maw Maw, avó  caduca de Virginia, que raramente apresenta alguns momentos de lucidez.
As coisas não melhoram nem um pouco quando, em uma certa noite, Jimmy sai para comprar um sorvete e acaba salvando uma moça, Lucy, que está fugindo de um homem que a persegue. Os dois, Jimmy e Lucy, acabam "passando a noite juntos". Tudo estaria perfeito se a tal moça não fosse uma assassina perseguida pela polícia, acusada de ter matado seus antigos ex-namorados.
Virginia dá uma cacetada na jovem e a entrega para polícia, contudo um outro problema ainda maior estaria por vir. Lucy, a tal assassina, depois da noite que passou com Jimmy, ficou grávida. Acabou tendo a filha na prisão e ficou seis meses com a menina, para amamentação, antes de ser executada.
Agora Jimmy tem mais um grande problema para  lidar: a criação de sua filha Princess Beyocé (que, graças a Deus, foi rebatizada Hope), o que, convenhamos, na situação em que o rapaz se encontra, será um desafio e tanto.
O primeiro obstáculo é a oposição feita pela mãe. Esta também ficou grávida precocemente e não quer que o filho passe pelos mesmos problemas que ela passou. Contudo, Jimmy insiste em criar sua filha e apesar de todos os pontos negativos que a criação de Hope apresenta, não tem intenção de abrir mão da menina. Para conseguir realizar tão árdua tarefa Jimmy precisará de todo o apoio da sua família, que, com certa relutância, concorda em ajudá-lo a cuidar da mais nova integrante da família Chance.
A última personagem fixa do elenco é Sabrina que é o alvo amoroso de Jimmy. A moça trabalha num supermercado local, e, logo no primeiro episódio, o protagonista se apaixona por ela. Só mais tarde é que iria descobrir que Sabrina já tem um namorado e este está seguindo o caminho do sucesso: cursa uma boa faculdade em Nova York, é bem apessoado e tem grana. Nesse caso, apenas a distância é que poderá ajudar o pobre Jimmy.
Nesses seis primeiros episódios a relação entre Hope e os outros integrantes da família vai se ampliando, o que não só abrange a dificuldade de ser um pai solteiro, e cuidar de uma criança, como também vários outros assuntos, um exemplo é a situação economicamente difícil em que vive a família Chance.
A série foi criada por Greg Garcia ("My Name is Earl") e apresenta o típico humor negro de seus programas, além de algumas situações absurdas, mas nem de tudo irracionais, como no episódio em que a Maw Maw resolve um certo "quebra-cabeça" acompanhando um ritmo musical (uma das cenas mais hilárias que já vi!).
Não é um show que fará você rolar de rir, mas deixará um sorriso estampado no seu rosto durante toda a sua exibição.
Das estreias desse ano, para mim, "Raising Hope" está entre as melhores, isso é, se não for a melhor.


Nota: 9,0



6 de nov de 2010

Nikita 01x08 - The Phoenix

"Nikita is here"
[Spoilers abaixo]



Mais um bom episódio para a coleção de Nikita.

A história começa quando Tom, no que podemos chamar de "formatura", cumpre seu primeiro dever como agente e elimina um alvo da Division. Logo de cara percebemos sua aflição e preocupação, o que já coloca em dúvida sua confiança no departamento.

Enquanto achavamos que Anna era uma pobre e inocente grávida que morreu injustamente, Nikita é surpreendida por espiões russos que tentam matá-la e conseguem amarrá-la para um interrogatório. Os diálogos entre Nikita e Ari Tassarov, o chefe russo, são de extrema importância para série, deixando ganchos para os próximos espisódios e uma possível trama central que tem potencial para ser bem desenvolvida.

Depois de implantada uma substância química em Niki, podendo matá-la em 12 horas, Ari tenta chantageá-la para conseguir o que quer, um ataque contra um importante político americano. Alex entra em ação e como todos nós já sabiamos, Nikita sai sã, salva e de salto alto.

Mais uma vez vemos Michael um pouco complacente demais com a ex companheira de trabalho e eu mal posso esperar para o próximo episódio. Assistam a promo que entenderão do que estou falando.

A série está com boa desenvoltura, o episódio foi muito bom, mas devo ressaltar algumas coisas. A primeira delas é que logo ficará cansativo (se já não está) essa história de agente se envolver com civil. Ok, já entendemos que isso é proíbido no mundo da espionagem, não precisa repetir. Segundo, uma mulher que já deu conta de agentes da Division de uma só vez, ser vencida por dois agentes russos, é tenso, não? Aliás, como essa mulher põe um pé na rua sem nenhuma arma? Meio fail, mas vamos relevar. Última coisa, pra um grande departamento como a Division, não ter câmeras em cada metro quadrado é brincadeira, não? Enfim, vou parar de criticar, são pequenos detalhes que por enquanto, podemos deixar passar.

Agora é esperar os próximos episódios e ver como a história dos Russos e das tais caixas pretas vão se desenvolver.

Nota 8.0

5 de nov de 2010

A nova série espiã de J.J.Abrams, Undercovers, é cancelada!

Logo que falaram que J.J.Abrams iria lançar uma outra série, as atenções voltaram-se para o canal NBC que se dispôs a exibir Undercovers.

 
A série foi descrita como uma mistura da trilogia Bourne com o filme Sr. e Sra Smith. Nesse caso, transformados em Samantha (Gugu Mbatha-Raw) e Steven Bloom (Boris Kodjoe), uma dupla que mantém um serviço de bufê em Los Angeles, ao mesmo tempo em que trabalham como espiões da CIA.

Juro que eu não tenho preconceito, mas de cara eu disse que a série não daria certo porque os principais era atores negros e isso só é sinônimo de audiência em séries de comédia. Infelizmente é assim nos Estados Unidos. Dito e feito!

Originalmente com a previsão de contar com 13 episódios, o roteiro vai exibir nas próximas semanas mais três além dos que já foram ao ar, sendo que os três finais ainda não possuem data de exibição confirmada.

Mesmo assim, J.J.Abrams continua sendo nome de sucesso, sendo esse apenas um deslize em sua carreira!

4 de nov de 2010

Resumão: Hawaii Five-0

Se existe uma série de ação que vale realmente a pena no momento, essa série é Hawaii Five-0.
Aloha!!!

Mais um remake na Fall Season, produzida pela CBS, Hawaii Five-0 era uma das estréias mais comentadas entre os fãs do gênero. Não resta dúvida, é diversão garantida. Com um cenário paradisíaco, após perder seu pai, Steve é procurado pela governadora do Havaí para comandar uma espécie de grupo especial. Negando de primeira, as coisas mudam ao descobrir que seu pai estava no meio de uma missão e sentiu-se na obrigação de continuá-la. Conhecendo Danno, um policial forasteiro recém chegado à ilha, responsável pela investigação da morte de seu pai, entram em parceria para desvendar os tais mistérios. Com Chin, um ex-policial acusado de corrupção e Kono, sua prima formada na academia, está completo o time Five-0.

Com casos semanais, a série traz um mix de ação e comédia, com um lado emocional, acima de tudo familiar. Temos a morte do pai de Steve, a filha de Danno, e a relação entre os primos Kono e Chin. Faço questão de destacar a louvável atuação dos protagonistas e coadjuvantes. Steve e Danno vieram para ficar, concorrendo ao posto de melhor dupla do ano, com grandes chances de levar o troféu. A atriz Grace Park que dá vida a Kono, ganhou grande destaque no episódio 1x06 e me fez tirar o chapéu. E o que dizer de Chin? Como lostmaníaca, sou suspeita para comentar sobre Daniel Dae Kim, o eterno Jim-Soo Kwon. Mesmo não sendo o protagonista e não estando diretamente nas cenas de ações, ele foi um dos motivos para que eu começasse a assistir HF0.

Estamos no sétimo episódio e a série não deixou a desejar em nenhum momento, cumprindo seu papel único de entretenimento e diversão, sem maiores complicações. Para os fãs do gênero, está mais que recomendada e aos que ainda não assistiram, dêem uma chance e assistam o piloto, depois me contem o que acharam.

Nikita - 01 x 05 / 06 / 07

Chegamos ao sétimo episódio e eu faço minha estréia no Loukos. Preparem-se.
[ Spoilers abaixo. ]

Nikita é, sem dúvidas, uma das séries que mais me impressionou nesse fall season que tivemos. Principalmente por ser uma produção da CW, o que automaticamente nos remete a séries teens de qualidade duvidosa, a estréia não deixou a desejar e marcou a segunda maior audiência nas estréias do canal. Mas vamos ao que interessa.

Com um primeiro episódio cheio de arcos, Nikita chegou ao quinto com um momento nostalgia. Owen, uma espécie Ceifeiro da Division (desculpa, mas nessa hora me questionei se os roteiristas de Supernatural estavam fazendo trabalhos extras) passa pela mesma situação que nossa protagonista, se apaixona por uma civil. O final é o mesmo, sua amada acaba morta por seus colegas de trabalho e Nikita o leva consigo à seu esconderijo secreto. Um arco interessante do episódio foi uma das caixas pretas descoberta, enterrada por Owen.
O sexto episódio, meu preferido até agora, tem como plot central Alex que aliás, Lyndsy Fonseca merece palmas pela atuação. Colocada em um teste, Alex é sequestrada por terroristas que a torturam para conseguir informações. Confesso que fiquei apreensiva, achando que ela entregaria o jogo, mas somos surpreendidos com sua reação ao atirar num homem. Esse episódio deixou claro que Percy está com a pulga atrás da orelha com seu braço direito Michael, que é mais esperto do que pensava.

Enfim, o sétimo episódio, que para mim foi o pior até agora. Não sei se foi porque não me simpatizei com a protagonista do plot, ou se alguém concorda comigo, mas achei um episódio monótono demais, salvando algumas partes. Entre elas, destaco um ponto que me pareceu interessante: o contraste entre Alex e Robbie. Enquanto Alex odeia a Division com todas as suas forças, Robbie vê na mesma uma chance de ser alguém na vida. Ambicioso, acaba sendo praticamente rebaixado à guarda, uma espécie de babá que fica vigiando os recrutas. O cara faz a louca e num momento de desespero mata outros guardas, acabando por mostrar seu potencial e recebendo uma promoção do chefe. Quanto ao fim de Sarah, achei meio fail. Uma coisa é Nikita ter fugido e continuar na encolha, sem expor a Division, ela tem toda uma história, anos de "convivência". Agora, uma recruta conseguir sair sã e salva, mesmo que com a ajuda de Niki, me parece bobo demais.

Hoje teremos um novo capítulo e a promo me deixou um pouco curiosa para vê-lo. A série segue por um bom caminho e aos que reclamam do clichê e de outras coisitas mais, peço que levem em consideração dois pontos:

1 - Numa sére de espiões e perseguições, não existem muitas maneiras de fugir do "padrão", alguém sempre tem que ter um problema emocional, querer vingança, e ter um inimigo.
2 - É feita pela CW, por favor.

LinkWithin